15 de dez de 2013

Partir (prosa) - Lady Viana

*
*
*
Foto por Bleedangel (Bianca BC)

Sentia-se como... se o cômodo estivesse vazio, fosse o que fosse, fizesse o que fizesse. E, no entanto, por que partir? Que diferença, afinal, faria partir? Se a presença era deveras notada por quanto estivesse, tamanha seria a mudança se partisse?
               Mas, novamente, questionava-se, e sua rotina seguia de forma branda e vazia. Procurava, no entanto, alterar de alguma forma o desconforto com novas palavras de carinho e afeto. Não, não mudara coisa alguma – deveras era notada, deveras era... Notada.
               As malas lá estavam, mas vazias – ah, tão vazias! O que botar dentro de um novo destino a partir de um passado enferrujado? E se dissesse o seu nome, uma vez que fosse, seria uma lembrança – e isso, afinal, poderia destruir o futuro. O novo destino, dessa vez, literalmente novo. Encher a mala ou não encher?
               No entanto, o que era isso? O que se passava? O que era ser vazio, era, de fato, não sentir nada – ou seria isso ser insensível? Ou seria isso se acostumar aos sentimentos, tão habituada estivesse a eles? Como diferenciar tal de quanto, não tendo um espelho que falasse, tampouco um humano que respondesse..?
               Oh, triste, triste, ó, triste passado. Chamaria dessa forma, dali em diante. Passado – que assim seja! Pois então, de vazias nada mais – as malas agora lotadas, desajeitadas, tão cheias de roupas mas tão carentes de passado!

               Em breve, pensava, em breve teriam um passado, essas malas. Gostava de pensar assim. Partir. E levar consigo, somente, a esperança de um futuro próximo. Nada mais – o passado que outrora estivera lá só poderia ferir. Era preciso apagar, limpar, purificar, cristalizar... Que venha, pois, o futuro!



Lady Viana 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Caso comente anônimo, diga seu nome! =)