10 de abr de 2014

Vitória


                " Selos e cartões no piano. Vidro do vaso no chão. As flores estão secas. A água manchou o carpete. A cortina rasgou. Janela estava aberta. Bateu e fechou. As notas estão desafinadas. Há ratos no porão. Uma das velas apagou. As outras estão derretidas. O frio entrou pela porta da frente. O tapete está dobrado. A madeira está carcomida. O tabaco acabou. O ópio também. Há ócio, porém.
                O brioche apodreceu. O queijo está no ponto. O vinho fermentou. A rolha caiu no chão. Rolou. Passou pela mesa. Passou pela cadeira. Passou pelas escadas. Parou na parede. A taça suja ao chão. Ainda inteira, possui rachaduras.
                A janela da cozinha, parcialmente aberta. Parcialmente consertada. Parcialmente de madeira. Sem vidro. Sem cacos. Sem pedaços. A parede, com frestas. A pia entupida. A pia encardida. Também carcomida. Pedra partida.
                Sa...pa...ti...nhos no chão. Cabem na minha mão. O caminho com pegadas. A trilha está errada. A cadeira pregada ao chão. Pequena decepção. Sa-pa-tinhos. Na minha mão.
                Há um bonnet rasgado no mancebo. Outrora tratado com zelo. Caixas com sebo. Janelas fechadas. Há medo!...
                A noite já foi embora, acalme-se agora. A luz do dia está por vir...
                Pode dormir."


Lady Viana

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Caso comente anônimo, diga seu nome! =)